terça-feira, 14 de janeiro de 2014

A Fonte do Caos.

A Fonte do Caos

Nada, absolutamente nada pode ser bem compreendido sobre o tema "Nova Ordem Mundial" sem antes conhecer a essência, a motivação e a fonte do problema. Qualquer discussão sem o embasamento prévio desses três temas primários, simplesmente não podem ser amplamente entendido de modo correto.

Nesse texto falarei sobre a fonte. Isso é, sobre como essa elite globalista, que nos conduz a uma espécie de servidão imperial, iniciou os seus "trabalhos" afim de atingir o poder financeiro necessário para, com isso, obter o poder de corromper toda uma noção de realidade usando dos conhecidos diversos métodos subversivos.

"As casa de câmbio"

Quem são essas "casas de câmbio" que James Madison falou?

A Bíblia nos diz que dois mil anos atrás, Jesus Cristo dirigiu a Casa de Câmbio do Templo. Foi a única vez que Jesus utilizou vigor durante o seu ministério.

O que as Casas de Câmbio estavam fazendo no Templo?

Quando os judeus chegaram a Jerusalém para pagar os seus impostos do Templo, só se podia pagar-lhe com uma moeda especial, o meia-shekel do santuário. Isto era uma meia onça de prata pura, cerca do tamanho de um quarto. Foi a única moeda ao redor naquele tempo, a qual era prata pura e de peso certo, sem a imagem de um imperador pagão. Portanto, para os judeus, a sua meia-shekel foi a única moeda aceitável para Deus. Mas essas moedas não eram abundantes. As Casas de Câmbio conquistaram o mercado sobre as mesmas. Depois, levantaram o preço delas, tal como qualquer outra mercadoria, para qualquer mercado que iria suportar. Em outras palavras, as Casas de Câmbio faziam lucros exorbitantes, porque realizaram um virtual monopólio sobre o dinheiro. Os judeus tinham de pagar o que lhes exigiram. Para Jesus, isto violou totalmente a santidade da Casa de Deus.

Império Romano

Mas a troca de dinheiro fraudulenta não se originou no tempo de Jesus. Duzentos anos antes de Cristo, Roma estava tendo problemas com as Casas de Câmbio. Dois primeiros imperadores romanos tinham tentado diminuir o poder das Casas de Câmbio por reformar as leis usurárias e limitar propriedades de terras para 500 acres. Eles ambos foram assassinados.
Em 48 A.C., Julio Cesar tomou de volta o poder de cunhar dinheiro das Casas de Câmbio, e dessa forma, as moedas foram cunhadas para o benefício de todos.
Com esta nova e abundante oferta de dinheiro, ele construiu grandes projetos de obras públicas.
Ao fabricar dinheiro abundante, César conquistou o amor do homem comum. Mas as Casas de Câmbio o odiavam. Alguns acreditam que este foi um fator importante no assassinato de César.
Uma coisa é certa: com a morte de César veio o desaparecimento do dinheiro abundante em Roma. Os impostos aumentaram, tal como a corrupção. Assim como no caso da América de hoje, usura e desvalorização da moeda se tornou regra.
O abastecimento do dinheiro romano foi reduzido em 90%. Como resultado, as pessoas comuns perderam suas terras e lares, assim como está prestes a acontecer na América.
Com a falta do dinheiro abundante, as massas perderam confiança no governo romano e recusaram a apoiá-lo. Roma mergulhou na escuridão da Idade das Trevas.

"The Goldsmiths" (Os ourives)

Mil anos depois da morte de Cristo, Casas de Câmbio, - aqueles que trocam, criam e manipulam a quantidade de dinheiro - eram ativos na Inglaterra medieval. De fato, eles eram muito ativos, que agindo juntos, podiam manipular completamente a economia inglesa.
Eles não eram bancos, por assim dizer. As Casas de Câmbio geralmente eram os ourives (Goldsmiths). Eles foram os primeiros banqueiros porque eles começaram a guardar o ouro das outras pessoas para proteção em seus cofres.
O primeiro papel moeda no Oeste da Europa eram apenas recibos por ouro deixado nos ourives.
Papel-moeda difundiu-se porque era mais conveniente e seguro que carregar por aí um monte de moedas pesadas de prata e ouro.
Eventualmente, os ourives notaram que apenas uma pequena fração dos depositantes realmente exigia seu ouro de volta a qualquer momento.
Os ourives começaram a trapacear no sistema.
Descobriram que poderiam imprimir mais dinheiro do que tinham de ouro, e ninguém iria perceber. Então, emprestariam este papel-moeda extra e obteriam lucro nele. Este foi o nascimento da reserva fracionário de empréstimo, que é, emprestar muito mais dinheiro do que você tem de bens em depósito.
Assim, por exemplo, se 1 mil dólares em ouro foram depositados com eles, poderiam emprestar cerca de 10 mil dólares em papel moeda e cobrar juros sobre o mesmo, e ninguém descobriria a fraude.
Desta forma, ourives gradualmente acumularam mais e mais riqueza, e utilizaram essa riqueza para acumular mais e mais ouro.
Hoje, essa prática de se emprestar mais dinheiro do que há reservas, é conhecido como reserva fracionária bancária. Cada banco nos EUA é permitido a emprestar pelo menos dez vezes mais dinheiro que na verdade tem.
Isso é o porque de ficaram tão ricos debitando cerca de 8% de juros. Não são realmente 8% por ano que é o seu lucro. É 80%. É por isso que os bancos são sempre os maiores edifícios da cidade.
Mas será que isso significa que todos os juros bancários ou tudo isso deveria ser ilegal? Não. Na Idade Média, a lei Canônica, a lei da Igreja Católica, proibia cobrança de juros sobre empréstimos. Este conceito seguiu os ensinamentos de Aristóteles, assim como São Tomás de Aquino. Eles ensinaram que o propósito do dinheiro era servir os membros da sociedade, para facilitar a troca de mercadorias necessárias para levar uma vida virtuosa. Lucro, na crença bancária, atrapalhou este propósito, por colocar um peso desnecessário no uso do dinheiro.
Em outras palavras, interesse lucrativo era contrário à razão e justiça.
Em reflexo da lei católica da Idade Média, a Europa também proibira a cobrança de juros sobre os empréstimos, e que tornaram esse ato um crime chamado usura.
Entretanto, um acordo na Idade Média que reconheceu que o empréstimo do dinheiro tinha um custo para o credor, tanto no risco quanto na oportunidade perdida. Então, alguns custos foram permitidos, mas não o lucro em si.
Todos os moralistas, não importa que religião, condenam fraude, opressão do pobre e injustiças claramente imorais. O empréstimo da reserva fracionário está fixado em uma fraude, resulta em pobreza generalizada e reduz o valor do dinheiro cada vez mais.
Os antigos ourives descobriram que lucros extras podiam ser feitos, por "remar" a economia entre dinheiro fácil e dinheiro apertado. Quando eles faziam dinheiro mais fácil para emprestar, a soma de dinheiro em circulação expandia. O dinheiro era abundante. As pessoas tomaram mais empréstimos para expandir seus negócios. Mas nesse momento, as Casas de Câmbio apertariam o suprimento de dinheiro. Eles tornariam os empréstimos mais difíceis de conseguir. Qual seria o resultado disso? Exatamente o que acontece hoje. Um certo percentual de pessoas que não podem reembolsar seus empréstimos prévios, e não podiam retirar novos empréstimos para retribuir os antigos. Portanto, estavam falidos, e tinham de vender suas propriedades para os ourives por centavos.
A mesma coisa ainda acontece hoje, embora hoje chamemos esta "remada" da economia, para cima e para baixo, de "Ciclos Comerciais".

Finalmente, o Rei britânico Henry VIII relaxou as leis com respeito à usura, e as Casas de Câmbio não perderam tempo se reafirmando. Eles fabricaram suas moedas de ouro e prata abundantemente por algumas décadas. Mas quando a Rainha Mary tomou o trono e apertou as leis da usura novamente, as Casas de Câmbio renovaram o entesouramento das moedas de prata e ouro, forçando a economia a prumar. Quando a meia-irmã de Mary, Rainha Elizabeth I, tomou o trono, tinha determinado retomar o controle sobre o dinheiro britânico. Sua solução foi imprimir moedas de ouro e prata para o tesouro público, e assim tomar o controle do suprimento do dinheiro, longe das Casas de Câmbio.
Embora o controle sobre o dinheiro não fosse a única causa da Revolução Inglesa de 1642, a política monetária foi o fator principal.
Financiado pelas Casas de Câmbio, Oliver Cromwell finalmente causou a queda do Rei Charles, "purificou" o Parlamento, e pôs o Rei para morrer. Imediatamente, as Casas de Câmbio tiveram permissão para consolidar seu poder financeiro. O resultado, foi que pelos próximos cinquenta anos, as Casas de Câmbio mergulharam a Grã-Bretanha numa série de guerras caras.
Eles assumiram uma milha quadrada de propriedade no centro de Londres, conhecida como "A cidade de Londes" (The city of London). Esta área é até hoje conhecida como um dos três centros financeiros predominantes do mundo.

O Banco da Inglaterra

Durante o final do ano 1600, a Inglaterra estava em uma ruína financeira. Cinquenta anos de guerras contínuas contra França e Holanda a exaustaram. Oficiais governamentais frenéticos reuniram-se com as Casas de Câmbio e imploraram por empréstimos necessários para perseguir propósitos políticos. O preço foi alto:
Uma permissão governamental, um banco de propriedade privada, o qual podia imprimir dinheiro criado do nada.
Este veio a ser o primeiro Banco Central moderno de propriedade privada do mundo, o Banco da Inglaterra.
Embora fosse chamado de forma enganosa de Banco da Inglaterra, para fazer a população pensar que era parte do governo, ele não era. Como qualquer outra corporação, o Banco da Inglaterra vendeu ações para se estabelecer. Os investidores nunca tiveram seus nomes revelados.
Em troca dessa concessão, o novo banco emprestaria a políticos britânicos, o tanto quanto eles queriam, enquanto eles asseguravam a divída por taxação direta do povo britânico.
Assim, a legalização do Banco da Inglaterra, equivaleu a nada menos que a falsificação legal de uma moeda nacional por lucros particulares.
Infelizmente, quase todas as nações agora tem um banco central controlado privativamente, usando o Banco da Inglaterra como modelo básico.
O resultado disso é o controle total da economia de uma nação pelos ricos. Forma-se uma Plutocracia. O governo consegue tanto dinheiro quanto precisa, e o povo paga por ele em inflação.
A beleza do plano é que nenhuma pessoa em mil pode compreender, porque está geralmente escondido atrás de linguagem econômica que soa complexa.

A ascensão dos Rothschild

Cinquenta anos após o Banco da Inglaterra abrir suas portas, um ourives chamado Amschel Moses Bauer, em Frankfurt-Alemanha, abriu uma loja da moeda, 1743. Sobre a porta, ele instalou uma placa descrita com uma águia romana num escudo vermelho (Red Shield). O estabelecimento ficou conhecido como a firma Red Shield (escudo vermelho), ou em alemão, Rothschild.
Quando seu filho, Amschel Meyer Bauer, herdou o negócio, ele deciciu mudar o seu nome para Rothschild.
Meyer logo aprendeu que emprestar dinheiro para governos e reis era mais lucrativo que emprestar para pessoas particulares. Não apenas eram os empréstimos mais altos, mas eram segurados pelos impostos das nações.
Meyer Rothschild teve cinco filhos. Ele treinou todos eles nos dons da criação de dinheiro e os enviou para as principais capitais da Europa, para abrir filiais dos negócios bancários da família.
Seu primeiro filho, Amschel, ficou em Frankfurt para cuidar do banco da cidade natal. Seu segundo filho, Salomon, foi mandado para Viena.
Seu terceiro filho, Nathan, era nitidamente o mais inteligente. Ele foi mandado para Londres com 21 anos de idade em 1978, cem anos depois da fundação do Banco da Inglaterra.
Seu quarto filho, Karl, foi para Nápoles. E seu quinto filho, Jakob, foi para Paris.
Em 1785, Meyer Amschel levou toda sua família para uma casa maior, uma habitação com cinco andares que compartilhou com a família Schiff. Essa casa era conhecida com a casa "Green Shield".
Os Rothschilds e os Schiffs iriam desempenhar um papel central no resto da história financeira da Europa, e também em toda a fundação e história dos Estados Unidos. Bem como guiar todas as ações políticas subsequentes em praticamente todo o planeta.


Via Hugo Santiago.

Nenhum comentário:

Postar um comentário