segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Integrante da oposição pedirá informações sobre compra de sistemas de defesa da Rússia

Muito estranho – O deputado federal Rubens Bueno (PR), líder do PPS na Câmara, anunciou no domingo (24) que ingressará com requerimento de informações na Comissão de Relações Exteriores da Casa para que o Ministério da Defesa esclareça a compra de sistemas de defesa da Rússia.
Em sua mais recente edição, a revista Veja denuncia que a transação é desfavorável ao Brasil. A publicação classificou a transação de “péssimo negócio” para o país e informou que o Iraque adquiriu os mesmos equipamentos por um quarto do preço que o Brasil pretende pagar. Termo de compromisso de compra foi assinado em outubro pelos ministros da Defesa russo e o brasileiro, Celso Amorim.
“Queremos saber o valor que será pago por esses equipamentos, qual será a efetiva utilização deles no nosso país e o parecer técnico das Forças Armadas sobre a aquisição”, disse o líder.
Pelo acordo assinado por Amorim, a Rússia venderá ao Brasil três sistemas de defesa antiaérea modelo Pantsir-S1. Cada um dos sistemas disponibiliza seis veículos lançadores terra-ar.
Conforme apurou a revista, os militares brasileiros desaprovam a aquisição do arsenal russo. Por trás da compra da tecnologia cara está o déficit na balança comercial entre os dois países, desfavorável ao Brasil, que exporta para a Rússia carne bovina, suína e de frango. Esses produtos sofrem constantes embargos por parte do governo russo por causa de padrões sanitários.
O sistema antiaéreo Pantsir-S1 não atende às especificações das Forças Armadas brasileiras, que há cinco anos pleiteiam um bom conjunto de baterias antiaéreas. A revista Veja informa ainda que as Forças Armadas distribuíram a trinta fabricantes estrangeiros um relatório com as especificações desejadas para o equipamento, dentre elas, compatibilidade com os radares usados no Brasil, com o espaço nos aviões da FAB (Força Aérea Brasileira) e alcance de 30 quilômetros. O modelo russo não atende esses requisitos.

“Pagaremos um preço aviltante por um equipamento que nem sequer poderá ser integrado ao nosso sistema de comunicação militar”, disse a Veja um oficial do Exército que participou das discussões sobre as necessidades da artilharia antiaérea.



Um comentário:

  1. Esse é o nosso DESgoverno CorruPto, sempre preocupado em se LOCUPLETAR, também, ter Celso Amorim como Ministro da Defesa, NINGUÉM MERECE !?!? Vamos MUDAR tudo, em 2.014, NADA de PT, NADA de 13, NADA de corruPTos.

    ResponderExcluir